A substituição do componente é uma operação simples, que requer poucas ferramentas, mas que faz muita diferença na segurança do motorista

Geraldo Tite Simões

5771

Tudo começa com um “nhec-nhec” na parte traseira. Depois, uma rápida observação visual revela os pneus traseiros gastos de forma irregular, “comendo” mais na parte interna. Ou na hora de carregar o porta-mala, em que a traseira afunda mais do que o normal. Por último, o motorista pode sentir a traseira “solta” nas curvas. Todos estes são sintomas de que o feixe de mola da suspensão traseira do Fiat Mille já está comprometido e precisa de reparo.

O sistema de feixe de molas único e transversal é uma tecnologia das mais antigas, porém ainda eficiente. Tem como vantagens grande resistência, menor número de peças e facilidade de manutenção. Por outro lado, exige um sistema de suspensão independente na traseira, o que obriga fazer o alinhamento periódico também das rodas traseiras.

5815

Por trabalhar com lâminas de ferro em constante atrito, o feixe conta com um sistema de lubrificação permanente, por meio de peças plásticas que intercalam as lâminas. Quando estas peças se desgastam, as lâminas começam a produzir ruídos e podem deslocar, o que causa o desalinhamento de todo conjunto traseiro. Por isso é tão comum ver o Mille rodando meio de lado.

A operação de troca é relativamente simples, requer poucas ferramentas, mas na hora de montar pode necessitar de mais de uma pessoa. O trabalho foi feito em um Fiat Mille 1995, com mais de 100 mil km rodados, mas que ainda estava com o feixe de mola relativamente novo.

Um conselho de Wagner Carpi, instrutor técnico da Affina, que realizou o trabalho, é aproveitar a troca do feixe de mola e verificar as peças periféricas, como buchas, coxins, mangueiras, espaçadores, freio traseiro, braço da suspensão, porcas etc. As ferramentas necessárias são poucas: três chaves de soquete de 13 mm, 17 mm e 19 mm (da roda). Uma pistola de ar comprimido também ajuda e para reapertar tudo será preciso um torquímetro.

5808

Não esqueça os equipamentos pessoais de segurança, principalmente óculos porque vai trabalhar o tempo todo debaixo do carro, sujeito a sujeiras. Uma dica importante é lavar bem o chassi do carro antes da operação para facilitar o reparo e permitir melhor visão das peças.

Acompanhe:

1) Para começar, levante o carro no elevador e retire as rodas traseiras, mais para permitir uma inspeção visual dos demais componentes, do que propriamente para acessar a mola.

5793

Obs: Curiosamente, no carro reparado foi detectado um grande problema. Na verdade, uma gambiarra, porque fora instalado um espaçador (alargador de bitola) em apenas UMA das rodas traseiras. Certamente nem o dono sabia, pois comprou o carro de segunda mão. A finalidade deste espaçador era afastar o pneu (de medida maior que o original) dos amortecedores. Segundo Wagner, este componente compromete o alinhamento e afeta o cubo de roda traseira porque exige uma nova furação. Outro problema notado no carro em questão: pneus de medidas diferentes!

2) Em seguida, retire os mancais de apoio do feixe de molas. São os dois coxins de borracha. Verifique se estão em bom estado ou com rachaduras, ressecados ou quebrados, o que exige a substituição. Na verdade, por serem peças de baixo custo, os coxins deveriam ser trocados de qualquer forma. Sobretudo se for um veículo que trabalha com carga. No Mille, estes coxins estavam rachados e ressecados.

 

  • 5773
  • 5786

3) Verifique os batentes dos amortecedores, porque se o feixe de mola estiver comprometido certamente bate nestes limitadores, o que pode causar rachaduras ou até fragmentação. Também troque por precaução.

5798

4) Solte, sem retirar totalmente, primeiro o limitador de apenas um dos lados. Não precisa retirar completamente a peça, deixe o feixe apoiado. Só precisa afrouxar para liberar a carga da mola.

5809

5) Vá para o outro lado e retire completamente o limitador do feixe de mola com cuidado porque, como toda mola, está presa sob pressão. Ao afrouxar, o feixe vai literalmente pular! Principalmente se o componente estiver desalinhado.

5817

6) O próximo passo técnico é retirar completamente o feixe de mola.

5806

7) Aproveite para avaliar a situação das borrachas do limitadores do feixe de mola. Se estiverem trincadas ou lascadas faça a substituição.

5781

8) Analise todos os parafusos e porcas dos mancais e limitadores. No caso do carro reparado, havia outra gambiarra. Originalmente os parafusos de fixação dos limitadores são soldados nas bandejas dos amortecedores traseiros. Se estes parafusos espanarem é preciso trocar a bandeja, uma peça de baixo custo. Normalmente alguns mecânicos mais “econômicos” preferem retirar este parafuso com uma furadeira e colocar outro, evitando a troca da bandeja. Pelo menos, nesse caso, usaram uma porca “parlock” (auto-travante).

5832

Montagem

1) Bom, depois de mais uma inspeção geral das peças periféricas, começa o processo de montagem e aqui pode precisar de mais uma pessoa, porque o feixe de mola entra sob pressão. Comece fixando a mola de um lado, apoiando um dos mancais, mas ainda sem dar o torque final.

5777

2) Depois de fixar um dos lados é hora de chamar um auxiliar porque enquanto um faz força com as duas mãos para segurar o feixe, o outro vai encaixar e apertar a porca do mancal de apoio.

5779

3) Recoloque os mancais e os limitadores do feixe, ainda sem dar o torque final.

5768

4) No momento de reapertar as porcas, use o torquímetro com o torque especificado no manual de serviço do carro.

5785

5) O feixe de mola não requer manutenção preventiva, pois tem um sistema de espaçadores que funciona como lubrificação permanente.

5782

6) Antes de finalizar e descer o carro, faça a última inspeção no sistema de suspensão e freio em busca de possíveis vazamentos ou retentores gastos.