fbpx


Situações do dia a dia como buracos e carga excessiva podem comprometer o cubo de roda; sinais de problema incluem ruído e vibração

 

A Nakata alerta para algumas situações que podem comprometer o cubo de roda. Pancadas no meio fio, trafegar sobre buracos, carga excessiva e até mesmo atravessar ruas alagadas são alguns dos motivos que podem provocar não só danos ao item, mas posteriormente, acidentes graves.

O componente é responsável pela rolagem das rodas e é a base para fixação de outros itens importantes, como os discos, tambores de freio, junta homocinética e as próprias rodas. Além disso, muitas vezes, o cubo de roda trabalha de forma sincronizada com as juntas homocinéticas, ou seja, ajuda a transmitir o torque do motor para as rodas.

Atenção aos sinais

“Existem três gerações de cubos de roda, a geração um conta com flange mais simples e é aplicada em rodas tracionadas; já a geração dois vem com o rolamento acoplado e é aplicada em rodas não tracionadas, e a geração três é mais elaborada, podendo ser aplicada tanto nas tracionadas ou não, e abriga também, quando necessário, a roda fônica do ABS e sensor, fazendo a ligação da manga de eixo com a roda. Além de abrigar o rolamento e o disco de freio, abriga a roda”, explica Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata.

- Publicidade -

“É preciso ter atenção aos sinais do cubo de roda danificado, como ronco grave proveniente das rodas em movimento ou vibração no volante”, comenta Jair. Segundo o técnico, tanto o ruído como a vibração tendem a ser progressivos com o aumento da velocidade. Porém, ele alerta: “é necessário tomar cuidado para não confundir um problema de empeno do cubo de roda com o desbalanceamento da roda”, revela.

A recomendação é, ao sentir qualquer um destes indícios, procurar o mecânico de confiança, pois rodar com o cubo de roda danificado pode ocasionar acidentes. “Há risco de travamento do rolamento, pode quebrar e cair a roda”, adverte.