Peugeot/Citroën apresenta o motor EC5 fabricado no Brasil

A PSA Peugeot Citroën fez nesta quarta, 14/12, a apresentação mundial do novo motor EC5, fabricado em sua planta de Porto Real/RJ. De acordo com a montadora, o bloco é fruto do desenvolvimento feito pelos Centros de Pesquisa do Grupo PSA na América Latina, França e China. A empresa garante que o propulsor de 1,6 litro e 16 válvulas é o mais potente de sua categoria produzido no Brasil, podendo gerar, com gasolina, 115 cv de potência máxima a 6.000 rpm, e, com etanol, 122 cv a 5.800 rpm, além de torque máximo de 15,5 kgfm (gasolina) e 16,4 kgfm (etanol), a 4.000 rpm.

O propulsor de 1.587 cm3 já está na linha de produção da Fábrica de Motores de Porto Real, e equipará o novo Peugeot 308, cujo lançamento no Brasil está planejado para o primeiro trimestre de 2012. Entre as principais inovações do EC5, está o sistema Flex Start Bosch, que, de acordo com a PSA, dispensa o uso do “tanquinho” de gasolina em veículos flexfuel, além de possuir melhor resposta do motor à aceleração, independente da temperatura e reduz as emissões de poluentes.

Ainda segundo a montadora, para aplicar o sistema no novo motor, a Bosch desenvolveu uma nova galeria de combustível, com elementos de aquecimento integrados, e diversos outros componentes para garantir que a temperatura do combustível atinja valores ideais para uma partida segura mesmo em baixas condições climáticas e, ao mesmo tempo, oferecer um controle preciso da temperatura do combustível em todas as condições de operação do motor, evitando o sobreaquecimento.

A PSA também destaca o sistema Wake up, que complementa o Flex Start ao iniciar o pré-aquecimento do etanol quando a porta do motorista é aberta, eliminando o tempo de espera de 6 segundos quando a temperatura ambiente é de 5ºC. A partida só é permitida quando o aquecimento estiver completo, informação que aparece através de uma luz indicadora no painel.

O motor também possui comando de válvulas variável (VVT) para a admissão, bomba de óleo variável, e pistões e anéis “low friction”, assim como o acabamento dos cilindros. O bloco ainda possui bielas foram desenvolvidas para apresentar alto nível de resistência com baixo peso. A taxa de compressão da versão flexfuel é 12,5:1, levando em conta o uso de combustíveis locais.

“O projeto privilegiou a adoção de soluções avançadas, ainda inexistentes ou pouco comuns em motores brasileiros, conseguindo um excelente equilíbrio entre potência, torque e economia”, explica François Sigot, Diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Estilo América Latina da PSA Peugeot Citroën. A fábrica de Porto Real também fabricará uma versão a gasolina do propulsor, especialmente para veículos comercializados fora do Brasil.

Envie um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php