De acordo com a fabricante de faróis Arteb, colocar lâmpada com potência maior que a original pode sobrecarregar e superaquecer cabos e componentes plásticos, além de poder prejudicar a visibilidade propiciada pelo farol. A empresa explica que o farol automotivo é dimensionado para atender as funcionalidades e requisitos legais, seguindo as especificidades de cada modelo de veículo para que o motorista tenha a visibilidade adequada, sobretudo em período noturno.

A sua concepção envolve avançadas ferramentas computacionais, somadas a etapas de prototipagem e avaliações. “Em caso de necessidade de substituição, é importante optar por produtos com as mesmas características técnicas dos originais para evitar perda de eficiência e danos, inclusive da lâmpada”, explica o engenheiro da Arteb, Egídio Vertamatti.

Egídio declara que lâmpadas de potência superior às originais, ao contrário do que se imagina, apenas aumentam o consumo e podem sobrecarregar o sistema elétrico e, em casos mais críticos, até provocar curto-circuito. “Além disso, lâmpadas de maior potência que às originais promovem a elevação da temperatura interna do farol, podendo resultar em deformação e/ou derretimento de peças plásticas, degradação da condição visual, entre outros danos”, comenta.

“Lâmpadas de potência superior às padronizadas geralmente surtem efeitos contrários ao esperado, pois no breve intervalo em que ofertam mais luz, sobreaquecem o farol e os cabos elétricos, degradam componentes internos e comprometem o farol e, consequentemente, a segurança”, revela. O consumidor deve ficar atento à potência da lâmpada, assim como optar por marcas reconhecidas, de qualidade atestada pelo selo do Inmetro.