Advertisement




A NGK alerta para os efeitos de combustíveis adulterados dentro do motor. A fabricante de autopeças explica que gasolina, etanol ou mesmo GNV de má qualidade podem causar contaminação das velas de ignição. “Dificuldades na partida, falhas no motor e perda de potência são alguns problemas que podem ser causados pela ação do combustível de má qualidade nas velas de ignição”, explica o consultor de Assistência Técnica da NGK, Hiromori Mori.

O especialista reforça que, com uma simples análise visual do componente, é possível identificar indícios de que o combustível utilizado pode não ter boa qualidade. Por esse motivo, é importante que o mecânico sempre verifique as condições das velas nas revisões periódicas.

“No caso da carbonização, a ponta ignífera da peça fica totalmente coberta com um resíduo negro (carvão). Já as situações em que há acúmulo de resíduo vermelho na ponta da vela indica o uso de combustível com óxido de ferro. Combustíveis como GNV ou etanol não geram resíduos, sua presença com o uso destes combustíveis indicam uma contaminação do combustível ou alguma irregularidade no funcionamento do motor”, comenta.

O consultor ainda orienta que, para economizar combustível, é fundamental garantir que as velas de ignição estejam em ordem. “A vela de ignição é responsável por garantir que o combustível seja queimado de forma correta, sem desperdício. Por isso, o bom funcionamento da peça influencia diretamente no consumo de gasolina ou etanol”, finaliza.