Superbanner - Texaco (30/08 a 24/01/24)

NGK dá dicas de manutenção preventiva para economizar combustível

A NGK lembra o mecânico que uma orientação correta pode auxiliar o cliente na economia de combustível e minimizar os efeitos das variações nos valores do etanol e da gasolina. Para isso, a revisão periódica e a manutenção preventiva nas velas, cabos de ignição e em outros componentes, como a sonda lambda, são fundamentais.

Segundo a fabricante de autopeças, a vela de ignição exerce papel fundamental no consumo, já que é responsável por garantir que todo o combustível seja queimado, sem desperdício. Um mau funcionamento da vela por desgaste, muitas vezes, não é perceptível ao dono do veículo. No entanto, isso afeta diretamente o consumo de combustível e aumenta dos níveis de emissão de gases poluentes. “O uso de velas demasiadamente desgastadas pode comprometer os cabos de ignição, sondas lambdas, rotor, distribuidor e bobina/transformador”, informa a empresa.

16299

Essas distorções no desempenho do veículo só passam a ser identificadas quando o motorista verifica dificuldades na partida e falhas durante retomadas, e esses sintomas podem significar que a falha está ocorrendo há algum tempo, podendo ocasionar danos mais sérios também a outros componentes. Por isso, a NGK recomenda que as velas sejam verificadas a cada 10 mil km ou anualmente, aquilo que ocorrer primeiro.

A sonda lambda (ou sensor de oxigênio), responsável pela análise da condição da queima de combustível, é imprescindível no controle de emissão de poluentes e no consumo. Através da comparação entre a concentração de oxigênio nos gases do motor com o ar ambiente, ajusta a quantidade de combustível injetado na câmara de combustão, fazendo a melhor relação entre desempenho, consumo e emissões. Além disso, a sonda com funcionamento irregular pode acelerar a deterioração de outras peças, como o catalisador.

Já os cabos de ignição, responsáveis por conduzir a alta tensão produzida pela bobina até as velas, também necessitam de revisão periódica, que deve ser realizada a cada 60 mil quilômetros ou três anos.

Envie um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php