Advertisement


Sindipeças e entidades convocam a imprensa em São Paulo para divulgar dados, expectativas de crescimento e destacam programa para expandir a cultura de manutenção preventiva em veículos

Paulo Butori, presidente do Sindipeças (Sindicato Nacional 2708da Indústria de Componentes para Veículos Automotores) e George  Rugitsky, conselheiro da entidade, apresentaram ontem (16/04) as previsões de produção de veículos automotores no Brasil para os próximos anos, além de dados do setor de autopeças. Segundo informações coletadas pela Anfavea (Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores) e Sindipeças, em 2008 serão produzidos cerca de 3,364 milhões de veículos, montante que representa crescimento médio de 8,1% em relação ao ano passado (2,971 milhões).

Em relação ao mercado de autopeças, Butori comentou que as fabricas instaladas no Brasil são competitivas, pois mesmo com o real supervalorizado em relação ao dólar essas companhias têm aumentado o volume de exportações. Entretanto, há problemas para alimentar as linhas de montagem de veículos em outros países e a greve dos auditores fiscais, por exemplo, afeta diretamente novos investimentos e custa muito caro ao País. Outro fator grave apontado por ele são os problemas de infra-estrutura verificados nos portos, aeroportos e rodovias nacionais. Além de outros dados, o executivo acrescentou que atualmente a matriz energética brasileira não é só elétrica, pois há algum tempo estão sendo realizados investimentos nessa área.

– Carro 100%
Em seguida, Antonio Carlos Bento, conselheiro do Sindipeças, divulgou que a campanha para inserir a cultura de manutenção preventiva nos motoristas brasileiros, denominada “Carro 100%”, além do logo “Caminhão 100%”, será veiculada a partir de maio deste ano. A ação é coordenada pelo GMA (Grupo de Manutenção Preventiva), formado pelo Sindipeças, Andap, Sincopeças-SP e Sindirepa-SP e sua divulgação será feita por meio de anúncios em veículos de comunicação. Para Antonio Carlos Fiola, presidente do Sindirepa-SP (Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Estado de São Paulo), o foco da campanha é o veículo mal cuidado e a grande conscientização é que por meio da manutenção preventiva tudo vai sair mais barato. Fiola acrescentou que o mecânico vai ter que ser certificado, o Senai está preparado para atender esses profissionais e isso será reforçado durante a campanha. Roberto Scaringella, presidente da CET (Companhia de Engenharia de Tráfego), por sua vez, comentou que a fluidez de carros é prejudicada pela falta da manutenção preventiva nos veículos.

Como o próprio tema é intitulado “Carro 100%”, o programa ainda não prevê a inserção de motocicletas, que muitas vezes poluem mais que carros, devido sua grande maioria não possuir catalisador no escapamento. Outro tema não mencionado no programa que prejudica a performance dos veículos e aumenta o desgaste de peças do motor é a questão da adulteração de combustíveis, problema que ainda exige constante fiscalização por parte das autoridades competentes.

Por Magno Pereira