Entrevista: 25 anos de evolução

ed-269-entrevista

 

A Delphi Soluções em Produtos & Serviços, América do Sul, comemora 25 anos de atividades da unidade industrial de Piracicaba. Amaury Oliveira, Diretor Executivo da empresa, fala dos avanços obtidos neste período, o relacionamento com os mecânicos e perspectivas futuras

 

Revista O Mecânico: A Delphi comemora 25 anos de atividades na fábrica de Piracicaba. Quais os principais acontecimentos que marcaram este período?
Amaury Oliveira: É com muito orgulho que comemoramos estes 25 anos de história em Piracicaba. Posso dizer que essa é uma história que se confunde um pouco com a minha própria, pois também estou celebrando 25 anos de Delphi. Este período foi marcado por muitas conquistas para empresa e para mim. Em Piracicaba, lançamos para o mercado tecnologias importantes e pioneiras não apenas para a Delphi, mas para a história automotiva do Brasil, como, por exemplo, a tecnologia bicombustível (flex) e, depois, multicombustível. Nesta unidade, alcançamos a marca de 30 milhões de bicos injetores produzidos e ganhamos importantes negócios para a Delphi na América do Sul. Piracicaba também é especial por ser a casa do aftermarket na Delphi. Aqui está localizado nosso Centro de Distribuição e toda nossa equipe administrativa. Muitas histórias, muitas conquistas e muitos motivos para celebrar essa marcante data.
O Mecânico: Nos últimos 25 anos, os veículos que circulam no País tiveram um salto de qualidade. A eletrônica embarcada proporciona possibilidades infinitas de avanços em segurança, economia de combustível e confiabilidade. Como a Delphi participa deste processo?
Amaury: Globalmente, todos os desenvolvimentos tecnológicos da Delphi são guiados por três pilares: “Safe, Green e Connected”, ou seja, a Delphi oferece às montadoras (e ao consumidor final, consequentemente) tecnologias que proporcionam segurança, ajudam a preservar o meio ambiente e que colaboram para que o motorista e os passageiros possam manter-se conectados – sem perder a atenção necessária na pista. A eletrônica embarcada faz parte disso e é um diferencial entre as soluções que a Delphi oferece para o mercado. Entre as inovações da Delphi vale ressaltar nossas recentes conquistas com o carro autônomo. No ano passado a Delphi realizou a primeira viagem de maior condução autônoma na América do Norte – viajando de São Francisco a Nova Iorque –, completando uma viagem com 99% de condução autônoma. Desde então, o time de engenharia da Delphi continuou a trabalhar, aperfeiçoar, inventar e inovar no design do projeto. Na verdade, o veículo autônomo da Delphi – chamado de Delphi RoadRunner – recebeu atualizações significativas em 2015. Na CES 2016 (Consumer Electronics Show) a empresa apresentou o conceito V2E (vehicle-to-everything), que incorpora diversas tecnologias desenvolvidas pela Delphi e eleva a condução autônoma a outro patamar, permitindo que o veículo se comunique com ruas, sinais de trânsito, semáforos, outros carros e até mesmo pedestres.

 

O Mecânico: Em 2003, a Delphi lançou o sistema que aceita etanol, gasolina ou a mistura dos dois em qualquer proporção (Flex). Passados 13 anos, quais as diferenças entre os primeiros sistemas e os atuais? Este sistema chegou ao limite de desenvolvimento ou ainda pode ser aprimorado?
Amaury: Este foi um sistema pioneiro do qual temos muito orgulho. O sistema evoluiu com o lançamento do injetor aquecido e também com algumas melhorias no software de controle do motor, como a medição da mistura por cilindro por meio do sensor de oxigênio. O Injetor Aquecido Delphi – tecnologia que elimina o “tanquinho” – baseia-se no aquecimento do combustível durante a partida. Desta forma, a combustão ocorre de maneira mais completa, resultando em funcionamento mais eficiente, além de minimizar as emissões também na fase fria do motor – podendo chegar a até 30% de redução em alguns casos. A tecnologia já está em carros como da JAC, Honda (City e Fit), Toyota (Corolla) e Hyundai (HB20).

 

O Mecânico: Como a Delphi divide os negócios no Brasil, qual a porcentagem de fornecimento para as fabricantes de veículos e no mercado de reposição?
Amaury: A Delphi atua em 4 divisões de produtos: Arquitetura Eletro/Eletrônica, fornecendo terminais, conectores e sistemas completos de distribuição de energia elétrica, conhecidos como chicotes elétricos; Powertrain, responsável pelo fornecimento de bicos injetores, bobinas de ignição, sensores, bombas de combustível, injetores Diesel, além de outras tecnologias; Eletrônicos & Segurança, fornecendo rádios e clusters; além da divisão Soluções em Produtos & Serviços, voltada para o mercado de reposição de peças. A Delphi fornece tanto as peças e soluções automotivas para fabricantes de veículos quanto as peças que os mecânicos compram para consertar carros. Hoje, o fornecimento para as montadoras representa cerca de 85% de nossos negócios e o fornecimento para o aftermarket representa cerca de 15%. Levamos a qualidade de nossos produtos originais para o mercado de reposição e, claro, todo o conhecimento de quem é especialista em produzir as melhores soluções tecnológicas para todo o mercado.

 

“A Delphi realiza treinamentos no Brasil para distribuidores, mecânicos e técnicos durante todo o ano e vamos além: oferecemos treinamentos em diversos países da América do Sul como Colômbia, Paraguai, Argentina etc.”

 

O Mecânico: Qual percepção e importância para a Delphi do mecânico independente?
Amaury: O mercado independente é uma parte essencial e estratégica para os negócios da Delphi. Estar nesse segmento, com certeza, está em linha com o objetivo global da empresa em atender o mercado de forma completa. Vamos além da venda de peças: vendemos soluções tecnológicas e vendemos serviços. Na Delphi, nos preocupamos em levar o melhor em qualidade e orientação para que o consumidor final tenha acesso às melhores tecnologias para seus carros, como as tecnologias que saem direto de fábrica. Seguindo uma segunda linha de pensamento, e tendo em mente a crise pela qual o Brasil passa, o aftermarket torna-se ainda mais estratégico, um fôlego neste momento em que menos pessoas compram carros novos e passam a “cuidar” de carros usados. A manutenção está em alta e a Delphi enxergou na crise uma oportunidade de crescer, lançar produtos, treinar ainda mais mecânicos e educar o mercado sobre a importância de peças de qualidade e que ofereçam segurança ao consumidor. Fortalecemos o trabalho com a nossa marca e estamos ainda mais próximos do mercado.

 

“Apesar de todos os acontecimentos políticos e econômicos, a Delphi transformou os desafios em oportunidades e, na área de aftermarket, teve um momento muito bom junto ao mercado uma vez que menos pessoas estão comprando carros novos…”

 

O Mecânico: Num país continental como o nosso e de culturas variadas, qual a estratégia da empresa para realizar cursos e treinamentos para os mecânicos?
Amaury: A Delphi realiza treinamentos no Brasil para distribuidores, mecânicos e técnicos durante todo o ano e vamos além: oferecemos treinamentos em diversos países da América do Sul como Colômbia, Paraguai, Argentina etc. A Delphi acredita que a informação pode ajudar o mecânico a acompanhar o desenvolvimento do mercado, pois a revolução dos veículos eletrônicos continua a impulsionar o desenvolvimento de complexos sistemas e peças. Os treinamentos são ministrados por nossos técnicos na fábrica da Delphi em Piracicaba com os temas: Climatização, Injeção Eletrônica e linha Diesel. Além dos treinamentos realizados na fábrica, a Delphi também organiza treinamentos em diferentes lugares do Brasil em parceria com nossos clientes e instituições de ensino regionais. É dessa forma que conseguimos estar em diferentes Estados e países.

 

O Mecânico: Até o mês de agosto, o ano de 2016 foi conturbado por causa dos acontecimentos políticos e econômicos. A empresa sentiu dificuldades para comercializar os produtos?
Amaury: Apesar de todos os acontecimentos políticos e econômicos, a Delphi transformou os desafios em oportunidades e, na área de aftermarket, teve um momento muito bom junto ao mercado uma vez que menos pessoas estão comprando carros novos e, dessa forma, movimentando o mercado de reposição de peças. Lançamos diversos produtos e intensificamos nosso trabalho com a marca.

 

O Mecânico: Quantos lançamentos de produtos a Delphi promoveu em 2016, tanto para as montadoras como no segmento de reposição?
Amaury: Entre os produtos lançados pela Delphi em 2016 para o mercado de reposição estão: bobinas de ignição, filtros, bombas d’água e uma novidade para o portfólio da Delphi: a linha Delphi Duas Rodas. Agora, além de atender veículos de passeio e comerciais a Delphi também está pronta para atender o mercado de motos com o lançamento da Bomba de Combustível para Honda Titan Mix/Flex, separadas em Kit Refil e Conjunto Completo. Até o final do ano, teremos outras surpresas para o mercado. Quando falamos no mercado original, a Delphi participou com suas tecnologias em lançamentos importantes como o Novo Cruze, da GM, e o Mobi, da Fiat, por exemplo.

 

O Mecânico: A partir de agora, com novo Presidente no comando do Brasil, qual a projeção para o último quadrimestre do ano?
Amaury: Ainda é muito cedo para enxergar o impacto de uma nova presidência. Estamos em um momento delicado política e economicamente. Precisamos aguardar os novos desdobramentos e ações para entender possíveis impactos.

 

O Mecânico: Qual o volume de investimentos que a empresa projeta para nos próximos 5 anos?
Amaury: A Delphi tem planos de investimento otimistas para o mercado de reposição para este e para os próximos cinco anos. Em 2016, e ainda mais em 2017, além de investirmos em muitos novos produtos, treinamentos e serviços para o mercado, a Delphi, mais do que nunca, está investindo fortemente em pessoas. Entendemos que os melhores resultados vêm das melhores equipes e este é o nosso foco. Aliás, não falamos em equipe, falamos em time. Temos um time unido e com os melhores jogadores. Este ano, por exemplo, além da linha Delphi Duas Rodas, iniciamos um trabalho com produtos remanufaturados. Dentro da Delphi, o trabalho que realizamos com “reman” é exemplo para nossas operações no resto do mundo. Além disso, globalmente, a Delphi está investindo fortemente e o carro autônomo já é uma realidade.

 

O Mecânico: É possível prever como estará o mercado e quantos itens a Delphi terá disponível nos próximos 25 anos?
Amaury: Esta é a pergunta de US$ 1 milhão! 25 anos é um longo período para previsões realmente concretas, mas o que podemos dizer é que em termos de desenvolvimento tecnológico o céu é o limite para a Delphi e que estamos focados em antecipar as necessidades das montadoras (ou seja, dos consumidores) para poder oferecer o que há de melhor para o mercado. Todos os investimentos realizados visam uma operação robusta e um negócio sustentável. Então, que venham os próximos 25 anos! A Delphi estará preparada e pronta para atender o mercado

Envie um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

css.php