Advertisement


cuidados oficina coronavírus

Limpeza agora é uma questão de vida ou morte! Veja dicas para evitar pegar ou proliferar o vírus dentro do local de trabalho

Que a limpeza sempre foi impor­tante dentro da oficina, ah!, isso sempre foi. Embora tenha sido negligenciada por alguns du­rante muito tempo. E essa ne­gligência causou problemas. Sim, a sujeira pode trazer muitos problemas de saúde ao “Guerreiro das Oficinas”. Deixando de lado a qualidade do serviço e a produtividade da oficina – que aumentam muito quando o ambiente é limpo –, existem inúmeros ca­sos de mecânicos que contraíram infecções, alergias e, até mesmo, doenças mais graves como o tétano, devido à falta de limpeza no ambiente de trabalho.

Triste, porém verdade. E por incrível que pareça, nos dias de hoje, mesmo diante de tanto acesso a informação, ainda é possí­vel encontrar alguns mecânicos que insis­tem em trabalhar como “bolinhos de graxa” e se recusando a utilizar equipamentos de proteção individual (EPI). As desculpas são as mais variadas. Mas não é o momento de falar a respeito disso.

É verdade que para muitas dessas do­enças já existe tratamento (antibióticos) ou, mesmo, uma vacina. Além do mais, a con­tração de muitas delas está associada a uma condição específica (foco).

Só que surgiu um novo inimigo: a Co­vid-19. Este é nome da doença causada pelo vírus SARS-CoV-2 ou “novo coronavírus”. Um inimigo muito mais perigoso do que os anteriores.

Por quê? Simples: essa doença ainda não tem um tratamento medicamentoso 100% comprovado – pelo menos até o momento em que este artigo foi escrito e publicado. Se o paciente atinge a condição de “estado grave”, ele sofre, mas sofre muito mesmo. Ficar preso a uma cama de UTI, isolado do mundo e respirando por aparelhos por vá­rios dias não deve ser uma experiência nada agradável.

Em alguns casos, principalmente nos grupos de risco, onde se encontram os ido­sos e portadores de doenças preexistentes, ela pode ser fatal. E nesse caso, o corpo é incinerado, sem que seja permitido a reali­zação de um velório e funeral. Os familiares não têm sequer a oportunidade de se despe­dir de seu ente querido.

Isso sem falar que essa doença é muito mais “sorrateira”. Esse vírus se propaga com maior facilidade, pois não depende especificamente de sujeira.

De acordo com estudo de cientistas de diversas universidades americanas publica­do no New England Journal of Medicine, esse vírus pode sobreviver sobre superfícies de aço inoxidável e plástico por até 72 ho­ras, superfícies de papelão por até 24 horas e suspenso no ar por até 3 horas. Em tecidos, ele pode sobreviver por até 96 horas. Re­sumindo: um objeto aparentemente limpo pode estar contaminado.

Apesar de se dizer por aí que o SARS­-CoV-2 se propaga com mais facilidade no frio, ainda não existe ainda um consenso científico sobre a temperatura que desativa o vírus.

Não bastasse, existem pessoas que por­tam e transmitem o vírus e não apresentam qualquer sintoma. Uma tossida, um espirro descuidado ou uma simples contato com gotículas de saliva em sua proximidade… Você entendeu.

cuidados oficina coronavírus

SÓ EXISTE UMA MANEIRA DE SE PROTEGER: LIMPEZA

Mas, sobretudo, a desinfecção. Uma ativi­dade pouco corriqueira para o ambiente das oficinas que continuam funcionando – em quase todos os Estados brasileiros, a ativi­dade foi considerada como essencial e não foi incluída na quarentena. Mas desinfectar a oficina é algo complicado? Nem tanto.

Tirar o cliente de dentro da oficina, com o serviço leva e traz, com certeza di­minui bastante o risco de contaminação do mecânico e da sua equipe. Afinal de contas o maior fator contaminação ainda é o con­tato pessoal (ou social): um simples aperto de mão, seguido de uma passada de mão no rosto pode significar contração da doença.

No entanto, mesmo mantendo o cliente longe o risco continua, pois, o vírus pode estar “quietinho” dentro do habitáculo do veículo, esperando “ansiosamente” um novo hospedeiro. Se o cliente infectado to­cou nos controles internos do veículo por um período inferior a 72 horas e o mecâ­nico foi buscar o carro e voltou dirigindo ou mesmo apenas manuseou a maçaneta da porta… Altíssimo risco de contaminação.

Mas como fazer, então? Levar um pul­verizador tipo mochila (daqueles utiliza­dos para espargir defensivos agrícolas) nas costas até a casa do cliente e desinfetar todo o carro (por fora e por dentro) antes de to­car nele? Bem, seria inconcebível. Além do mais, certos desinfetantes podem atacar o acabamento do veículo, daí, já sabe… Preju­ízo na certa. O melhor a fazer é tomar me­didas mais eficazes e menos escandalosas.

cuidados oficina coronavírus

AO MANUSEAR UM VEÍCULO:

– Utilize luvas plásticas descartáveis. São muito baratas, discretas, eficientes e não incomodam para dirigir. Chegando ao interior da oficina (longe dos olhos do mundo), desinfete as partes de risco do ve­ículo (aquelas que necessariamente preci­sam ser tocadas durante o serviço), antes de dar acesso ao mesmo à equipe e descarte as luvas. Se manusear o veículo para um teste ou mesmo entrega, calce um novo par de luvas.

– Utilize capas plásticas descartáveis sobre o banco do motorista e/ou do passa­geiro (caso precise levar alguém junto para um teste). Assim como as luvas, são bara­tas, discretas e não incomodam. Como são impermeáveis, mantenha-as sobre os ban­cos durante todo o tempo, até a entrega do veículo.

– Nada de usar o ar-condicionado do veículo. Janelas abertas.

– Use máscara dentro do veículo.

– Use um bom desinfetante: eficiente, mas que não provoque alergia e não ataque nem a sua pele nem o acabamento do veícu­lo. Não economize neste ponto.

cuidados oficina coronavírus

AO LIDAR COM PESSOAS:

– Mantenha uma distância de seguran­ça de pelo menos 1 metro. Nada de cumpri­mentos acalorados com abraços. Evite até mesmo o aperto de mão sem o uso das luvas descartáveis.

– Use máscara, também. Mesmo que apenas máscaras mais avançadas tenham poder de filtragem suficiente para prevenir a inalação do SARS-CoV-2, seu uso é reco­mendado como mais uma barreira de pro­teção. O vírus pode se propagar no ar expe­lido pelos pulmões da pessoa infectada. Isso sem falar daqueles que “falam cuspindo”. Se for usar máscara de pano, coloque-a para lavar após duas horas de uso.

– Use luvas plásticas para manusear qualquer objeto recebido de outra pessoa. Desinfete-o assim que possível.

CUIDADOS PESSOAIS:

– Lave e desinfete as mãos sempre que tocar em algo que implique em risco de contaminação sem as luvas descartáveis.

– Lave e desinfete as mãos antes de co­mer ou beber algo.

– Evite tocar o rosto. Se não houver ou­tro jeito, desinfete as mãos antes.

– Nem pense em compartilhar copos, talheres, bocas de garrafas ou mesmo ci­garros.

– Tome banho quente antes de ir para casa. Muita água a sabão nessa hora.

– Roupa de trabalho não vai para casa e vice-versa. Se possível, deixe as roupas civis em local protegido, longe das de trabalho.

 

Por Fernando Landulfo