De Carro Por Aí | Honda Fit se aprimora para 2018

Por Roberto Nasser*

Pela Internet Honda apresentou a linha 2018 para seu bem sucedido Fit. Uma espécie de Geração 3 e ½, identificada visualmente por alterações nos para choques, faróis e grade frontal. Mudança principal, relatada na Coluna passada, foi o incremento em itens de segurança usuais a versões de maior hierarquia. Segue o caminho traçado nos modelos equivalentes nos EUA e Europa.
O ESP, iniciais do sistema de controle de estabilidade; o TC, controle de tração – artifício faz a transmissão arrancar em marcha fraca para evitar patinagem -; o manjado assistente de partida em rampa, o Hill Holder; e luzes de freadas emergenciais, são itens eletrônicos cujo crescimento na escala de uso permite reduzir preços e tornar-se atrativos mesmo ante o lento crescimento de aceitação e demanda pelos clientes brasileiros. A postura mercadológica pelo emprego de itens eletrônicos de segurança talvez encontre justificativa ante as exportações para a Argentina. O aliado do Mercosul pressiona o governo brasileiro para exigir o ESP nos produtos nacionais – o Brasil remancha, titubeia, engasga para regulamentar a obrigatoriedade. Somos lentos em adotar legislação pró segurança.

Versões
São quatro degraus de conteúdo e preço, mas há padrão básico: parte dos equipamentos listados, o pequeno motor L4, 1,5 litro, i-VTEC, variador de sincronia e abertura das 16 válvulas, 116/115 cv com gasálcool e álcool, flex; transmissão automática CVT, com polias variáveis; novo sistema de direção elétrico; freios ABS, o sistema anti bloqueio -, com EBD, distribuidor eletrônico da pressão hidráulica forçada pelo pisar no pedal do freio. Em segurança, cintos com ancoragem em três pontos para todos os passageiros, e fixadores Isofix para cadeirinha infantil.

A tecnologia vem-se democratizando, como exposto na escalada de conteúdo. Na versão básica DX, exceção está no uso de quase órfã transmissão mecânica de 5 marchas – um mico ‘a hora da revenda, e obrigatório par de almofadas de ar frontais. Versões superiores, transmissão automática por polias deslizantes, o sistema CVT, com simulação para sete marchas, com acionamento por alavanquinhas sub volante. Na EX, além das bolsas de ar frontais, também as há laterais. Em seguida EXL amplia o oferecimento com bolsas laterais tipo cortina, totalizando seis unidades. Nas duas versões superiores, ar condicionado digital.

Topo, a EXL contém novo módulo multimídia com conexão para SmartPhones Apple Car Play e Android Auto.
A novidade fica por conta da versão Personal, partindo de R$ 68.700 e permite a combinação de equipamentos pelo consumidor, optando por um item, sem pagar por todo pacote de versão superior.



Novidade é a versão Personal, admitindo escolha pontual dos itens sem a necessidade da compra de pacote completo. Experiência à busca de resultados.

Fit 2018, sutis mudanças, maior conteúdo



TVR Griffit surpreende mantendo tradição
Fazendo surpresa, inglesa TVR apresentou seu novo modelo, o Griffith. Esportivo, motor entre eixos dianteiro, Ford V8 com 500 CV, com baixo peso, consegue excepcionais resultados: acelera de 0 a 100 km/h em menos de 4 s e supera os 320 km/h em velocidade final. Surpresa está no fato de todo o leque de marcas da indústria automobilística britânica, uma das maiores do mundo até a II Guerra Mundial, hoje estar resumida a dois fabricantes com grandes carros e pequenos quantitativos. A TVR, quase desaparecida, depois vendida ao russo Nikolay Smolensko, foi recomprada por grupo britânico. Construiu nova fábrica, formulou novo produto, pequena capacidade de produção, 500 unidades anuais. Outra, a MacLaren, mesmo diapasão, mas apta a entregar 3.000 unidades/ano. Marcas inglesas, outrora míticos exemplos de britanicidade são comandadas por capital estrangeiro: Rolls-Royce, BMW; Bentley, Volkswagen; Jaguar Land Rover, da indiana Tata; Mini, BMW; Lotus, investimento malaio…

Projeto para performance, emprega materiais leves para estrutura e carroceria, muito compósito em carbono, aço e alumínio colados sob pressão, consegue segurar o ponteiro da balança em 1.250 kg. É mais leve e menor ante concorrentes Porsche 911, Jaguar F Type e Aston Martin Vantage.

Projeto primoroso com apoio da Gordon Murray Design, autora do projeto da Mc Laren, motor Ford Coyote V8 5 litros desenvolvido pela Cosworth, aspirado produz 500 saudáveis e longevos cavalos, com a característica de durabilidade, aversão a oficinas, e grandes intervalos entre revisões. Entre eixos dianteiro permite excepcional distribuição de peso, sonho de qualquer projetista: 50% em cada eixo. Tração traseira, transmissão de seis velocidades.

Aerodinâmica privilegiada para estabilidade e refrigeração dos freios. Rótulo principal, deve ser visto como o último grito de uma tecnologia em descenso, a dos carros puramente movidos por motor a combustão interna, sem engenhos elétricos para hibridizá-lo.

Série de lançamento, a Launch Edition, porta revestimento em couro; rodas leves em desenho especial, pintura exclusiva, grande painel incluindo tela por toque, e botão de arranque imitando os utilizados nos jatos disparadores de foguetes, com pequena tampa a ser basculada para permitir premer o botão.

Projeto, charme, quase exclusividade não custam caro neste universo de carros personalizantes e de performance: 90 mil libras – uns R$ 381 mil. Caro ? Não, em tempos de Lava Jato, merreca. As malas do importante Dr. Geddel permitiriam para comprar 133 Griffith, quase 4 meses da produção do automóvel, e surfar entre seus fiéis eleitores baianos.

TVR Griffith, surpresa inglesa. Barato: 0,138 Geddel



Roda-a-Roda
Pesquisa – Fiat desenvolve soluções para manter a liderança do Strada dentre picapes pequenos. Uma delas, preservar a plataforma atual, resistente, testada, trocando a cabine por outra. Uma das possibilidades, a do Mobi. Questão é segurar custos para evitar concorrer com o Toro, líder na categoria superior.

Ajustes – Nas adequações sugere-se contrair a relação de versões, limitando o Strada a duas portas e poucos equipamentos. E simplificar o Toro para reduzir preço e conquistar clientes dos Strada das antigas versões mais equipadas.

Conforto – Citroën confirmou lançamento próximo dia 10 da van Jumpy, montada no Uruguai, objeto de informações na Coluna 1117, aos 15.março. Formato inicial de furgão – após, passageiros -, e característica principal e diferenciativa do projeto é um olhar automobilístico sobre a ergonomia, a posição de conduzir, comandos, e os dois passageiros. Quer destacá-lo como o de maior conforto para usuários – motorista e auxiliares – ou caronas.

De volta – Da Coréia SsangYang confirmou volta do país. Como Coluna informou anteriormente, retorno será através de polivalente Venko, responsável pela chegada da chinesa Chery ao Brasil – após a marca chinesa assumiu a operação. Importações a partir do cancelamento do super IPI. Representação com prazo de 10 anos. Produto inicial, inescapável SUV.

Vantagem – Governo Federal baixou Medida Provisória satisfazendo concessionárias das estradas. Os investimentos nas vias – obras de arte, duplicação, etccc – não cumpridos nos últimos 5 anos terão mais 9 para ser viabilizados.

Razão – Generosidade dar-se-á com o dinheiro do usuário, pois a tarifa cobrada para cobrir os investimentos não realizados, em vez de ser suprimida, será mantida. Há triste frase a definir nossa concessiva estrutura legal: no Brasil quem faz a lei é a mãe do bandido.

Congraçamento – Ante a evidência de serem poucos os usuários a ter utilizado veículos com tração 4×4, marcha reduzida, aptidões fora de estrada, Troller aproveitou a boa experiência da Mitsubishi com provas reunindo proprietários da marca.

Caminho – Juntou clientes para amplo passeio pela Serra da Canastra, MG, com duração de quatro dias, por trechos para uso das habilidades dos veículos, mesclando turismo e aventura. Quer repetir e reunir 500 Trolleiros em Campos do Jordão, SP, novembro. Tens Troller? Estás afim ? www.troller.com.br.

Boa idéia – Jornalistas Scheila Canto e Paulo Cruz realizam segunda edição do Salão do MiniAutomóvel, interessante mescla de automóveis em várias escalas, desde 1:87 até 1:1, no caso Nissan GT/R e Chevrolet Camaro.

Fórmula – São mais de 4.000 unidades dos modelos em escala. Caminho novo ao juntar carrinhos de brinquedo e de verdade, com apoio dos fabricantes. No Shopping do Bosque, até set.24, Campo Grande, MS.

Ampliação – Toys for Boys Brasil, importadora de brinquedos para homens, ampliou linha de produtos. Além de automóveis esportivos, aeronaves e iates, traz, sob encomenda, lanchas Tigé.

lancha Tigé, brinquedo de homens



Fórmula 1 – Mudanças redesenham a principal categoria do antomobilismo:
União Mc Laren Honda abriu. Equipe inglesa utilizará motores Renault. O asturiano Alonso permanecerá na equipe;
Toro Rosso com Honda – Parece um meio termo para negócio maior, fornecer à controladora Red Bull em 2019;
Sainz Jr saiu da Toro Rosso, indo para a Renault;
Kubica não irá para a Renault. Piloto finlandês procura equipe;

O P1800 antes de da. Gordon ter-lhe moído o motor



Recorde – Irv Gordon, 79, ex professor de Nova Iorque, coleciona recorde sempre aumentado, o de ter dirigido a maior quilometragem, num mesmo carro, em uso privado. Com Volvo P1800 de 1966, sólido e charmoso sueco recém completou 5M de Km, e no período retificou-o apenas duas vezes. Um recorde.

Celebridade – Transformou-se em referência para recomendar cuidados, manutenção em oficina autorizada, lubrificante indicado pelo Manual, de qualidade e troca nos intervalos nele indicados pela fabricante.

Mas – Porém, todavia, entretanto, sempre os há, o até então indestrutível motor do Volvo não resistiu ao descompromisso feminino. Razão descoberta pelo velho mecânico do automóvel, Da. Gordon, também provecta condutora, não soltou o freio de mão; rodou até queimar as lonas de freio; forçou o motor até debulhá-lo. Problemas não são solitários: ao saber da notícia, o velho mestre enfartou.

One, um passo acima



Concept One. Mercedes-AMG escreve o manual dos Hypercars
Mercedes-AMG surpreendeu o mundo apresentando seu novo ponto de exclamação, o Concept One. Mescla tecnologia de carros da Fórmula 1 com as mais recentes conquistas de tração elétrica. Resultado prático, um gran turismo classificado como Hypercar, muito acima dos concorrentes escreve as regras para a nova categoria.

Três motores elétricos – 120 KW, 160 cv em cada roda frontal, o terceiro tocado pela ponta do virabrequim do motor entre eixos traseiro – ciclo Otto, V6, 1,6 litro, o dos carros da Mercedes na Fórmula 1. Limite de giros e potência reduzidos relativamente aos carros de competição para oferecer durabilidade e confiabilidade ao uso nas ruas e estradas, e o turbo passou a ser elétrico, um motor com 80 kW – uns 107 cv – novo caminho para este soprador de potência.

Confiança patente, após longos 50 mil km motor e câmbio são retirados e, como nos Fórmula 1, inteiramente desmontados para aferir desgaste.

O Concept One, nas palavras de Thomas Moers, CEO da Mercedes-AMG, é o primeiro automóvel a tornar a tecnologia de Fórmula 1 utilizável nas vias, e a tomada de ar do motor expõe tal herança. O comportamento dinâmico também busca semelhanças. Com mais de 1.000 cv de potência, o conjunto de quatro motores o impulsionam do Zero aos 200 km/h em menos de 6s – o Bugatti Chiron, com 1500 cv fazem 6,2s; velocidade final de 350 km/h. Transmissão para as rodas traseiras, com 8 marchas, embreagem por monodisco seco. Dianteira por tração elétrica.

Outros dados: supera os Fórmula 1 em estabilidade; suas baterias pesam 100 kg; marcha lenta reduzida de 4.500 rpm para 1.100 rpm; funciona com gasolina de 95 octanas, como a Podium nacional; usa pneus Michelin Pilot Sport Cup 2 285x35x19 à frente e 335x30x20 atrás. Projeta-se a construção de 275 unidades a US$ 2,7M – uns R$ 8,4M – na Inglaterra, onde produzido.
Não é apenas um degrau acima do pico dos esportivos, mas bandeira para exibir tecnologia a migrar para os futuros AMG e Mercedes.




Sindirepa-MA realiza pit stop de inspeção veicular gratuita em São Luis



O Sindirepa-MA irá realizar um pit stop de inspeção veicular gratuita dia 23 de setembro das 9h às 17h no anel viário (passarela do samba). No local será feita a montagem de uma Linha de Inspeção Veicular. Também haverá aferição de pressão arterial e níveis de glicemia e conscientização da manutenção preventiva.

Serviço:
PIT STOP
Data: 23/09/2017
Horário: das 09h às 17h
Local: Passarela do Samba, Anel Viário (Av. Senador Vitorino Freire, Areinha)




ZEN começa a fornecer no mercado original polias de roda livre de alternador


Com tecnologia e produção 100% nacionais, a ZEN se destaca por ser a única fabricante brasileira polias de roda livre de alternador que equipam os veículos das principais montadoras com sede no Brasil.

Segundo a fabricante, há alguns anos os veículos vinham somente com polias rígidas. Com o avanço tecnológico, ganharam a polia de roda livre que tem função de transmitir o torque do motor para o alternador por meio de uma correia, transformando a energia mecânica em elétrica para carregar a bateria.

A demanda desse componente aumentou com a crescente produção de veículos três cilindros como o Hyundai HB20, Ford Ka, Volkswagen UP!, Fox, Fiat Uno, Mobi e Argo e Renault Sandero, que tendem a vibrar mais em relação aos de quatro cilindros e a polia de roda livre foi uma das soluções encontradas para reduzir as vibrações do motor. Antes, era encontrada principalmente em aplicações comerciais e em veículos equipados com motores diesel, como o GM S10.




Nakata avalia amortecedores gratuitamente em Guarabira/PB e Pilar do Sul/SP



A Nakata, fabricante de autopeças com portfólio de componentes para suspensão, transmissão, freios e motor, checará gratuitamente as condições dos amortecedores de veículos nas cidades de Guarabira/PB e Pilar do Sul/SP com o objetivo de tornar o trânsito mais seguro.

A verificação é realizada por máquina shocktester, que submete o conjunto de componentes a variações de baixa, média e alta frequência, por meio de simulações automáticas de variados tipos de solos.

Nos dias 22 e 23 de setembro, a ação acontecerá, em Guarabira, na Paraíba, a Guarautos Auto Norte, que fica na Av. Rui Barbosa, 314/320 – Bela Vista, Guarabira-PB.

Em Pilar do Sul/SP, a avaliação ocorrerá, nos dias 29 e 30 de setembro, no Runa Car Centro Automotivo, localizado à Rua Dom Lúcio Antunes Souza, 160 – Centro.




Volvo implanta serviço personalizado de pós-venda com revisão a preço fixo



A Volvo Cars está implementando um novo serviço de pós-venda em todas as suas concessionárias ao redor do mundo. O Volvo Personal Service (VPS), que segue o padrão mundial da marca, tem a intenção de aproximar o cliente através de atendimento personalizado e direto com os técnicos que cuidam do agendamento, execução do serviço e entrega do carro.

O VPS já foi implantado em 70% das concessionárias da marca no Brasil mas a expectativa é que todas sigam o padrão de atendimento até o final de 2018.

Além do tratamento personalizado, que oferece um técnico pessoal desde o momento da compra, o serviço garante agilidade com entrega em apenas uma hora para as revisões agendadas, incluindo lavagem dos veículos. Os clientes têm a opção aguardar em uma sala e observar a revisão através de um vidro ou pode acompanhar o trabalho na oficina, que é realizado por uma dupla de técnicos.

Para atestar os resultados consistentes, o novo vice-presidente global de Customer Service, Martin Persson, veio ao país para acompanhar a certificação do VPS das concessionárias Intercar em São Paulo/SP e Thor em Ribeirão Preto/SP.

Outra proposta da marca para cativar os clientes são as revisões a preço fixo, implantada no ano passado e que inclui os itens obrigatórios na manutenção até os 60 mil km.

Confira a tabela de valores:




Ford lança óleo semissintético 5W30 para diversos veículos



A Ford com a sua marca de peças originais Motorcraft lança um novo óleo para motor semissintético 5W30. O novo lubrificante é indicado tanto para modelos Ford fora do período de garantia, como Focus, Fiesta, Ka e Courier, como de outras marcas, com intervalo de troca de 10.000 km.

O óleo, que segundo a marca, tem formulação especial para oferecer alta performance, economia de combustível e menor emissão de poluentes, pode ser encontrado na rede de distribuidores Ford em embalagem de 1 litro com preço sugerido de R$18,90, válido exclusivamente para reparadores independentes.

O produto segue as especificações Ford WSS-M2C-946A e WSS-M2C-929A e a especificação das normas API SN e ILSAC GF-5.




Turbo Honeywell ganha tecnologia que permite o uso de alumínio no rotor



A Honeywell desenvolveu uma tecnologia que proporciona melhor desempenho e maior vida útil sem utilizar titânio. Diferentemente dos rotores convencionais (onde há um furo que passa por toda a peça), essa tecnologia elimina o furo passante do eixo que fixa o rotor do compressor ao rotor de turbina e possibilita a utilização do alumínio fundido ou fresado, solução mais econômica que o titânio usado por outros fabricantes de turboalimentadores.

A tecnologia já está em aplicação na linha de turbos Garrett para caminhões e ônibus das montadoras Scania e Volvo. A Honeywell também comercializa produtos com essa tecnologia para aplicações Mercedes-Benz na reposição, para os motores OM924LA e OM457LA.

Sabe-se que o eixo do turbo e os rotores nele montados giram em rotações extremamente elevadas, perto de 120.000 rpm, no caso de caminhões extra-pesados. Assim, os rotores estão sujeitos a uma força centrífuga extremamente elevada, que tem seu valor máximo na região de maior diâmetro.

No turbo Boreless, a região sujeita à maior força centrífuga (a de maior diâmetro do rotor), não possui o furo passante, o que permite oferecer mais durabilidade, mesmo com a utilização de material mais comum e mais acessível, como o alumínio.

Os turbos com tecnologia Boreless estão disponíveis tanto na linha original Garrett quanto na linha Reman Original Garrett, lançada pela empresa e composta por componentes remanufaturados, com garantia de fábrica idêntica à das peças novas e preço de custo inferior ao de um componente 0 km.




Lâmpadas Osram começam a equipar moto Honda CG de fábrica



A multinacional alemã Osram passa a fornecer as lâmpadas para os faróis dos modelos CG 125 Cargo, CG 125 Fan, CG 160 Cargo, CG 160 Start, CG 160 Titan e CG 160 Fan fabricados pela Honda, que já saem de fábrica equipados com a lâmpada halógena de bifunção Osram HS1.

“São lâmpadas especiais para veículos de até 220cc, que possuem farol alto e baixo e se destacam pelo design arrojado e o grande alcance. Como toda a nossa linha automotiva, foram desenvolvidas para apresentar grande eficiência e, acima de tudo, priorizar a segurança do motorista”, explica o coordenador de vendas do canal OEM da OSRAM, Felipe Pegorelli.




Alta Roda | Convergência necessária

Por Fernando Calmon*

Se alguém ainda duvidava, os resultados da indústria nos três principais indicadores – vendas internas, produção e exportação – ao final de agosto apontaram recuperação sem qualquer viés de baixa ou reversão das expectativas. Em comparação aos sete primeiros meses do ano passado, os percentuais são positivos: 5,3%, 25,5% e 56,1%, respectivamente. Os números se referem a automóveis e comerciais leves e pesados.

Desempenho do mercado interno ainda tem muito a melhorar, pois a média diária de vendas em agosto foi de 9.415 unidades. Quando o ritmo sustentável subir para mais de 10.000 veículos/dia, pode-se concluir que o crescimento é autossustentável. Como as exportações estão subindo bem mais que o esperado, deve ajudar na recriação de empregos e realimentar a demanda interna.

A Anfavea revisou para cima as projeções deste ano. Em relação aos três indicadores citados, a entidade espera que 2017 supere 2016 em 7,4%, 25,2% e 43,3%, respectivamente. No início de 2017, quando o pessimismo era grande, esta coluna previu 9% de crescimento nas vendas internas no fechamento do ano ao analisar os números ruins de 2016.

Depois de queda acumulada de quase 50% em três anos a reação deveria acontecer mesmo. Se as sucessivas crises políticas não tivessem atrapalhado as reformas econômicas – até agora concluídas parcialmente – o resultado poderia ser melhor. Basta olhar a Argentina, onde o mercado interno cresceu 30% de janeiro a agosto sobre igual período de 2016 na esteira de mudanças de rumo na economia.



O que pode ajudar muito é a convergência de boas decisões entre os dois países. Basta um simples exemplo: Argentina decidiu harmonizar as exigências de segurança veicular e considerar o mesmo prazo de 2020 para adoção simultânea com o Brasil do ESC (sigla em inglês para Controle Eletrônico de Estabilidade) nos carros de projetos novos e 2022 para todos os demais à venda. Seria muito bom que, em contrapartida, o Brasil passasse a exigir engates Isofix para bancos infantis já obrigatórios no outro lado da fronteira.

Fato de grande relevância seria ambos terem regras em comum tanto em itens de segurança quanto em consumo de combustíveis e emissões, guardadas as diferenças pontuais. O programa brasileiro Rota 2030, a ser anunciado até novembro, poderia se tornar o ponto de partida para esse ajuste de médio e longo prazo. Com uma produção conjunta de cinco a seis milhões de unidades anuais dentro de cinco a seis anos, Brasil e Argentina alcançariam escala de peso. Poderiam exportar para mercados sul-americanos e de outros continentes de forma competitiva.

De acordo com a Anfavea, bastaria o Brasil manter a cotação do dólar, nos próximos anos, entre R$ 3,20 e 3,40 para que continuasse competitivo fora das fronteiras e pudesse importar componentes de tecnologia de ponta a preço compatível para os veículos aqui produzidos. Forçar uma modernização sem critérios técnicos foi um dos erros do programa Inovar-Auto que termina em 31 de dezembro próximo, conforme previsto, porém sob contestação da Organização Mundial do Comércio.

RODA VIVA
HATCHES médios-compactos como Cruze, Focus e Golf estão cada vez mais sob pressão de SUVs. Assim, a VW não será a única a produzir um utilitário esporte desse porte na Argentina. Há fortes rumores de que a GM também aproveitará sua fábrica no país vizinho para entrar na disputa, dentro de três anos, pressionando ainda mais a segmento de hatches e até de sedãs.
VOLKSWAGEN oficializou (como antecipado aqui) que o Gol volta a ser produto de entrada a preço pouco inferior ao do up!. O modelo veterano torna-se alternativa aos subcompactos Mobi e Kwid por oferecer mais espaço interno e diferença de custo relativamente pequena. Fox teve enxugamento de versões. Tal realinhamento prepara chegada do Polo às concessionárias no fim de outubro.
COMO alternativa aos SUVs espaçosos de sete lugares, Citroën Grand C4 Picasso oferece dirigibilidade refinada e resposta em curvas segura por ter centro de gravidade mais baixo. Luminosidade interna e visibilidade à frente e lateral destacam-se. Bancos são bem confortáveis, mas motorista demora até não esbarrar no comando do limpador ao acionar minialavanca do câmbio.
FINALMENTE, autoridades regulatórias europeias adotam métodos atualizados de medição e homologação de consumo e emissões para todos os veículos fabricados no continente. Referência anterior fugia muito do mundo real, se comparada aos números nos EUA e no Brasil. Também exige teste de emissões fora de laboratórios, um avanço significativo de credibilidade.
MAIS um fabricante, dessa vez Jaguar Land Rover, aposta na eletrificação em lançamentos a partir de 2020. Isso não significa que todos os novos modelos serão elétricos, mas que poderão ter um motor elétrico associada ao a combustão, ou seja, híbridos recarregáveis em tomadas ou não. Essa flexibilidade permitirá custos mais acessíveis ao consumidor e uma transição menos arriscada.
____________________________________________________
fernando@calmon.jor.br e www.facebook.com/fernando.calmon2




Nakata checa a barra de direção nos dias 20 e 21 de setembro no Caminhão 100%



A Nakata, fabricante de autopeças para o mercado de reposição automotiva, participa do Caminhão 100%, programa promovido pelo GMA e Grupo CCR, avaliando a barra de direção dos caminhões que paparem no km 57 (Sentido São Paulo), da Rodovia Castello Branco nos dias 20 e 21 de setembro.

A Nakata apoia a iniciativa desde o início, em 2010, quando o programa começou, com o objetivo de conscientizar motoristas com relação à importância da manutenção preventiva para garantir mais segurança no trânsito.