De Carro Por Aí | I.D.Buzz, Kombi agora elétrica, outro caminho da VW


Por Roberto Nasser


Sol invernal, temperatura civilizada, beira da costa californiana entre as charmosas Carmel e Monterey, paraíso de executivos aposentados tornados golfistas, e surfistas. Semana Santa, como ao período se referem colecionadores de veículos em todo o mundo, por indicar os cada mais pululantes eventos de automóveis, de encontros, corridas, leilões, concursos. É a única semana com 10 dias… Volkswagen quis fazer, no cenário onde a antecessora Kombi foi tão vista, ponte entre o passado ali exposto, e o futuro no vizinho Vale do Silício.

Pois foram estes clima e meio ambiente os escolhidos pela Volkswagen para apresentar o conceito I.D. Buzz, diretamente por Herbert Diess, presidente da marca. Encontro referencial, 20 jornalistas mundiais – dois do Brasil, Coluna um deles. Conjuntura permite o raciocínio: atual maior do mundo VW ainda sofre o peso dos danos da emissão de seus motores diesel, englobados sob o nome de Dieselgate; deve mostrar um caminho tecnológico a ser seguido nestes tempos de soluções alternativas – álcool ? híbrido ? elétrico ? hidrogênio ?; e contestar recém aparecido competidor sem estrutura, auto financiado com sinais de pagamento de incontáveis unidades, caso da ascendente Tesla. O anúncio da produção do bus, como chama as formas a nós identificadas como Kombi, tem esta finalidade. Como disse Piek von Bestenbostel, chefe mundial de comunicação da marca, estamos voltando á corrida.

Buzz (d) inspirado na mítica Kombi (foto Ingo Barenschee/VW)



Conceito

Internamente espaçoso, chão liso – abaixo dele as baterias -, bancos dobráveis, transformando-se em plataforma, adequado ao deslocamento familiar, de esportistas e suas tralhas, ou para trabalhos em variados perfis. Atual performance impressiona: 370 cv, aceleração de 0 a 100 km/hem menos de 5s, velocidade final em torno de 160 km/h, autonomia de 270 km, renovável por carga rápida de 80% em 30 minutos. Mas são dados iniciais. Neste campo onde as inovações se sobrepõem, variarão até a produção em 2022. Conceito manter-se-á como veículo preparado para ser autônomo, do comprimento em quase 5m, quase dois de largura, e em altura um menos ante a Kombi.

Volante com comandos recua e se encaixa no painel se o modo de conduzir for autônomo, quando o banco do motorista pode sofrer rotação para incluí-lo num papo com os demais ocupantes.

Não é apenas produto, mas caminho. Letras I.D. identificam plataforma de múltiplo uso, para sedãs, station wagons, cupês, utilitários esportivos, mostrando a direção tomada pela marca. Significa, como informou Diess, versões para o up!, o Golf, e a projeção de marca de atingir 1M de vendas em 2025. Produção inicial na Alemanha, e cedo para definir extensão ao Brasil, mercado considerado a julgar pela nacionalidade dos jornalistas presentes à apresentação – Alemanha, Brasil, Inglaterra e EUA.

Espaço interno facilita transporte de gente e coisas (Ingoi Barenschee/VW)



Mercedes 1929 especial, o Melhor de Pebble Beach

1929 Mercedes-Benz S Barker Tourer, Best of Show (foto Richard Michael Owen/divulgação)



Um conversível Mercedes-Benz com insólita traseira de barco – boat tail -, carroceria especial Barker em modelo Tourer foi o Best of Show na 67a edição do Pebble Beach Concours d ‘Élegance, em Monterey, Califórnia. É o mais refinado encontro mundial e o prêmio alegra proprietário e valoriza o automóvel.

Vencedor consagrava a fórmula adotada em PB, em ares de renovação. Neste ano, dentre os 204 veículos expostos, 54 o faziam como primeira participação. Volume representou 31 estados norte-americanos e 15 países – havia um Aston Martin DB2 de Changai ! – e nenhum brasileiro.

Proprietário Bruce R McCaw possuía o carro há anos, mantendo a pátina do tempo, mas instou-se a restauração total terminada uma semana antes. McCaw é sólido acionista da Microsoft, e saúde financeira é parcela sempre considerada em caso de empate – quase ocorrido com seu irmão Bruce com Ferrari 315S Scaglietti Spider; e um Packard 1932 – resistente à Grande Quebra -, modelo 906, dito TwinSix – 12 cilindros em V, formados pela junção de dois blocos de 6 -, também com carroceria especial Convertible Victoria, pela francesa Dietrich.

No esforço de oxigenar a fórmula, vitoriosa porém indutora ao surgimento de muitos eventos assemelhados a dividir público, nesta edição suprimiram-se as motos e os esportivos de fibra de vidro, trocando-os por antigos carros conceitos e esportivos de construção e vencedores de provas domésticas.

Portões abertos às 10h30 a multidão pagando US$ 500 – uns R$ 1.600 – para ter o direito de olhar veículos e a variada fauna humana em torno deles. Dez minutos de filmagem de caras e arrumações em PB dá para escrever um ensaio sociológico.

Em 2018 não será no tradicional 3o domingo de agosto: o gramado sediará prova de campeonato de golfe, cumprindo a missão do clube onde está a praia de cascalho. Será no domingo, 26.

Produções insólitas, segunda atração em PB (foto R Nasser)



Roda-a-Roda

Ximp ? – Chinesa Great Wall declarou à FCA, união de Fiat e Chrysler, querer comprar a icônica e rentável marca Jeep. Será forma de entrar no mercado ocidental de utilitários esportivos. Jeep Xing Ling será Xinp ?

É ? – Tudo é possível com a FCA, descolando-se do tema automóvel: cortou as origens italianas tornando-se em empresa holandesa; não ter herdeiro da controladora família Agnelli no quadro executivo, exceto o CEO; ter separado a Ferrari do grupo. Na prática tudo pode acontecer – inclusive nada… Quem não se lembra da história da venda da Alfa Romeo à Audi ?

Eclipse – Bom nome de seu esportivo, Mitsubishi lançará crossover aplicando-lhe o sobrenome Cross. Fez pré apresentação no Oregon, EUA, durante o eclipse solar quase total dia 21. Será importado ao Brasil.

Lá – Na Argentina vitória do governo Macri nas eleições primárias, no país e na poderosa Buenos Aires provocou manifestação positiva nos agentes econômicos e cadeia produtiva na indústria do automóvel: país terá previsibilidade.

Junto – Resultados eleitorais, presidente respeitado, segurança jurídica e previsibilidade animam os argentinos. Preveem grande expansão no mercado, apostando na reação brasileira, positiva nos últimos meses, mais que tendência.

Precaução – Preocupada com a aproximação do VW Saveiro da posição de liderança de seus picapes pequenos, Fiat reformulou Strada, simplificando versões Working e Hard Working, de uso comercial. Topo de linha Adventure elevou conforto e tecnologia, adotando central Mopar multimídia, tela de 15 cm.

$ – Gama vai de Working 1,4 cabine simples a Adventure 1,8 cabine dupla e preços entre R$ 47.250 a R$ 75.500. Fiat prepara nova geração do Strada, tateia entre agregar conteúdo e controlar custos para não concorrer com seu Toro.

Mais um – Para ampliar presença no mercado Hyundai criou versão Pulse Plus do utilitário esportivo Creta. Fica entre 1.6 AT e Prestige 2.0 AT. Motor 1,6, central de multimídia. Ar condicionado digital, faróis com acendimento automático, vidros elétricos one-touch. R$ 90 mil.

Começo – Dia 2, após comemorar 60 anos do início de produção no Brasil – de 1953 até a data apenas montava -, iniciar produzir o VW Polo. O automóvel vem sendo montado para ajuste de processos e equipamentos.

Design – Marca faz pequenas apresentações e divulgação de seus dados. Última foi sobre a conquista do emprego da mão brasileira no estilo do Polo. Nova plataforma, base para todos os futuros VW no país, oferece ótima relação entre volume externo e espaço interno. Novidade será instrumentos digitais.

Governo – É responsabilidade de todos os pagantes auxiliar o país a cruzar o abismo lulo-dilmista sobre frágil pinguela. Questão é: os guias da travessia sabem o que fazem, e se não estão criando um areal após tal pontezinha?

Nem tanto – Em nome de reduzir o rombo nas contas públicas resolve-se alienar patrimônio – Infraero, Eletrobras, Casa da Moeda, etccc -, na prática do orçamento familiar vender a empresa da família para comprar comida. Medida extrema, sem volta, sem maiores estudos e, principalmente, calço institucional: quais os cortes feitos para reduzir gastos orçamentários?

No caso – Assessores, Aspones, automóveis oficiais, jatinhos, reformas, auxílio moradia, auxílio paletó?!, terceirizados em necessidade, custos e presenças não aferidos, alugueis generosos e desnecessários, enorme lista de itens teriam sido os primeiros da planilha de custo – se objetivo fosse reduzir despesas. Minha avó, sábia macróbia, resumiria: vida de papagaio em gaiola – come o poleiro, e cai.

Ajuste – O ganho tecnológico no desenvolvimento de motores, menor cilindrada, maior potência específica, mais economia, menores emissões, forçam fabricantes de óleo lubrificante correr atrás.

Vizinho – Elaion, marca da YPF, estatal petrolífera argentina, apresenta tecnologia anti-stress, pacote de aditivos para garantir lubrificação adequada, atendendo exigências da maioria dos fabricantes de motores Otto, Flex, Diesel.

Caminho – Mercedes-Benz abriu inscrições a Programa de Estágio 2018. 70 vagas nas fábricas de São Bernardo do Campo e Iracemápolis, SP; Juiz de Fora, MG, e escritórios em S Paulo, Betim, MG, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Brasília. Mais, www.mercedes-benz.com.br/institucional/carreira/estagio

Resumo – Harley-Davidson mudou slogan mundial: All for Freedom, Freedom for All. Quer unir o legado institucional da marca com o sentimento de liberdade oferecido pela motocicleta. É parte da estratégia global para os próximos 10 anos. Está no hashtag #FindYourFreedom.

Novos – Na ocasião, 115º aniversário da marca, apresentou cinco releituras de motos Touring e oito novas Big-Twin e sua suspensão soft-tail. Novos design, acertos de chassis, implemento na motociclística, como novos motores Milwaukee-Eight. Adiantam a corajosa promessa de 100 lançamentos até 2027.

Recorde – País curioso o Brasil. Notícia da reprovação do Chevrolet Ônix em testes de impacto, expondo passageiros a perigo de morte, aumentou suas vendas. Também, informação de venda da fábrica de motos Ducati por sua controladora Audi, não freou o animus comprandi nacional: em julho empresa atingiu maior percentual de participação no mercado: 5,14%.

Será – Não cita a questão e entende resultados como consequentes à reestruturação da rede de revendedores, reajuste de preços, e novos produtos, como a Monster 1200 S, de produção iniciada em Manaus, a R$ 75.000.

Negócio – Mercedes-Benz venceu concorrência do SAMU para compra de furgões a ser transformados em ambulância: 800 unidades do Sprinter.

Negócio, 2 – Com o cessar de produção dos Fiat Ducato, e o desistir da importação do Ford Transit, mercado se ampliou para Mercedes e Renault.

Mais – Franceses Peugeot e Citroën antes montados pela Fiat, serão importados. Novidade, modelos de menor porte, de montagem iniciada no Uruguai e exportações ao Brasil. Outubro. Concorrentes ao Mercedes Vito.

Conforto – MAN caminhões exibiu VW Delivery 13.160 câmbio automatizado, freios com ABS, EBD, controle de tração e auxiliar de partida em rampa.

—————————————————————————————————
Fiat Argo e o conceito Premium
Há algum tempo estrangeirismos rotulam produtos e serviços no Brasil. A expressão Premium, para ser entendida como superior, é a mais durável delas e auxiliou tornear mais exigências pelo comprador de automóveis novos. Como indústria a FCA interpretou-a e decidiu aplicá-la ao projeto do seu recente Argo. Focado para concorrer com Hyundai HB20 e Chevrolet Ônix, buscou base de estilo nacional, processo de construção de qualidade superior, talento italiano para aproveitar área interna, acabamento acima da média dos concorrentes. Desde a primeira vista o Argo se impõe pelas formas, atual assinatura estética da Fiat também presentes em Toro e Mobi, sugerindo ter maiores dimensões.
As opções mecânicas, desde os motores, dos novo Firefly de 3 cilindros 1,0 e 4 cilindros 1,3, e Etorq 1,8, Flex, às transmissões mecânica e GSR automatizada 5M e automática 6M finamente compatibilizadas, ao emprego do sistema Start/Stop e direção elétrica para reduzir consumo, somaram-se à preocupação com o interior, incluindo a interconectividade, nova exigência dos compradores. No caso aplicou a central multimídia Uconnect em tela de 18 cm com Apple CarPlay e Android Auto. Na parte ligada à rolagem, conteúdo superior como controle eletrônico de estabilidade (ESC), controle de tração (TC) e auxiliar de partida em elevações (Hill Holder). Amarrando o pacote para a vida posterior à venda, juntou baixo valor nas revisões e no seguro. Com os argumentos do Argo Fiat mira liderança no segmento.

Fiat Argo